Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Solteirismo

por Catarina*, em 30.08.14

Vi e adoreiii, vou deixar aquiii para verem: 

 

"Esta coisa de estar a chegar aos trinta tem que se lhe diga: as notícias desdobram-se sobre a Isabel estar grávida, o Filipe estar para casar e o Marco estar a adorar a chegada do segundo filho. Todos juntam trapinhos

Deixem-me colocar já alguma clarividência no assunto: não nos preocupam os momentos solitários, os afazeres que guardamos para nós próprios sem a companhia de alguém. Também não nos amachucam os comentários dos pais e avós a dizer que “havias de arranjar uma miúda para nos dares uns netinhos”. E de certeza absoluta que a liberdade de fazer o que nos dá na veneta também não é aborrecimento.

 

Ser solteiro é ter orgulho no eu. É assumir que cada hora do dia é entregue numa bandeja a nós mesmos. No trabalho, nas conquistas, no lazer, nos encontros fortuitos, até mesmo nos amores familiares e nas amizades. É um dar para receber, raras vezes um altruísmo gratuito. E o que daí vier por acréscimo é bónus. Ser solteiro é manejar um dia com a flexibilidade que nos permite a agilidade da cintura e da omnipresença. Aproveitar, aproveitar, aproveitar. Porque temos consciência que nós, solteiros, estamos em condicional, com pulseira electrónica e tudo. Vai-se a ver e quando menos se espera nascem as obrigações todas: conjugais, matrimoniais, parentais e outros ais que tais.

 

Mas não se deixem enganar por esta nossa raça. Quando um solteiro afirma com uma firmeza fora do comum que está lindamente assim, só, não liguem. É mentira. Ninguém está bem sozinho. Um dos maiores problemas da questão é que os grupos de amigos são fechados, as redes de conhecidos são sempre as mesmas e as rotinas tornam as potenciais paixões em acontecimentos que falharam antes de ser principiados. “Tenho de arranjar uma rapariga decente”, dizia-me há dias um grande amigo. Outro amigo, horas antes, tinha-me dito mais ou menos o mesmo: “tenho de ver se me começo a despachar, os meus amigos andam todos a ficar noivos”. Nós, os solteiros, sofremos todos do mesmo mal: ser “bon vivant” também chateia.

 

Portanto, é isto: estamos solteiros porque gostamos de o ser. Se apetece fazer, fazemos. Se não, há mais onde gastar o tempo. As liberdades quase nos levam às fronteiras da libertinagem. Mas depois, sabemos como é — até porque não há solteiro que não saiba o que é uma paixão. Depois, dizia eu, é aparecer aquela cara, aquele pedacinho de gente, capaz de nos arrancar o chão que trazemos debaixo dos pés e é um querer mandar a solteirice para o maneta. É querer entregar todo o ser e todo o estar a alguém que não nós mesmos. Gratuitamente. Irracionalmente. Seremos conscientemente inconscientes. E gostaremos de cada momento, numa busca constante por mais.

 

Até lá, não nos aborreçam nem pressionem: se estamos assim é porque queremos estar. Quando quisermos mudar, a gente cá se arranja."

 

Fonte: http://p3.publico.pt/actualidade/sociedade/13448/ode-ao-solteirismo

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D



Favoritos